Cases de Sucesso
GPRH
IRRIGA
SEBRAE-MG
INMET
ONS
Klabin S/A.
LabGene
Irriga - Informações Técnicas voltar

Irrigação por aspersão convencional

Componentes de um sistema irrigação por aspersão convencional

Os componentes deste sistema são os seguintes: sistema de bombeamento, tubulações, acessórios e aspersores.

- 1: Fonte de água

- 2: Conjunto motobomba

- 3: Linha principal

- 4 e 5: Linhas laterais com aspersores em funcionamento

Figura 01: Croqui de um sistema de irrigação Semi portátil


Figura 02: Sistema de irrigação por aspersão convencional



Figura 03: Croqui de um sistema de irrigação por mangueira e detalhe do tripé

-1: Fonte de agua;

- 2: conjunto motobomba

- 3: Linha principal

- 4: Linhas laterais em malha

- 5: Aspersores funcionando
Figura 04: Croqui de um sistema de irrigação por malha


Figura 05: Áreas de aspersão em MALHA nas culturas do café e pastagem


Figura 06: Detalhe de um canhão hidráulico utilizado na irrigação por aspersão convencional.

 ØSistema de bombeamento:

Como os sistemas de irrigação convencional são pressurizados, o conjunto de bombeamento é necessário na maioria das vezes, sendo responsável pela sucção e pelo recalque da agua utilizada na irrigação. Os principais componentes desse conjunto são:

 - válvula de pé com crivo,

- tubulação de sucção,

- redução excêntrica,

- motobomba

- ampliação concêntrica,

- ligação de pressão (registro, curvas, válvula, manômetros) e

- equipamentos elétricos de partida e proteção.

Devido a sua importância, o conjunto motobomba deve estar sempre em condições adequadas de funcionamento passando por manutenção periódicas. A verificação da pressão na saída do conjunto motobomba deve ser periódica, para evitar que o sistema trabalhe fora das especificações de pressão e vazão.

A casa de bombas deve ser coberta e os equipamentos livres de ação da agua e dos raios solares.


Figura 07: Vista de um sistema de bombeamento simples e completo

Para o bombeamento podemos utilizar diversos tipos de bombas, porém as mais utilizadas em irrigação por aspersão convencional são as centrífugas de eixo horizontal.

Devido a potência exigida pelos sistemas de aspersão, se faz necessária a instalação de equipamentos de partida que protejam a rede elétrica (corrente de partida). Os equipamentos utilizados para essa finalidade são:

Sistema de partida e proteção: (dependente da concessionária de energia)

           - dimensionado de acordo com a potência do motor,

           - exemplo:

                     ü até »7,5 CV partida direta,

                     ü de » 7,5 - 20 CV chave triângulo estrela,

                     üacima de » 20 CV chave compensadora.

O conjunto de bombeamento pode ser acionado por diversas fontes de energia, sendo a eletricidade a mais comum e barata.

Ø Tubulação

As tubulações do sistema de aspersão convencional são as responsáveis pela condução da agua do conjunto motobomba até os pontos de saída. Geralmente elas são de grandes diâmetros e com paredes espessas. Podem ser de aço zincado; Alumínio; PVC; Ferro fundido; Fibrocimento e polietileno, sendo o mais comum o PVC.

A definição da tubulação é feita em função do diâmetro, do material e do tipo de engate. O diâmetro é definido em função da velocidade máxima permitida de escoamento dentro do conduto e da perda de carga máxima permitida. O material é definido em função do preço, da disponibilidade, da existência de diâmetro, da pressão de serviço, se a tubulação vai ser enterrada ou não, e principalmente pela durabilidade. Deve-se procurar adquirir tubulações de empresas conhecidas no mercado, idôneas e com um bom histórico de qualidade. O tipo de engate deve ser seguro e de fácil manejo.

ØAcessórios:

Os acessórios utilizados na irrigação por aspersão convencional são os mesmos utilizados nos outros sistemas,  como por exemplo: as curvas, reduções, tampão final e etc

Devido a grande adaptabilidade desse sistema, ele exige algumas peças especiais, e não comuns em outros sistemas. São peças "desenvolvidas especialmente" para o sistema de irrigação por aspersão, como por exemplo: as curvas especiais, válvulas, registros especiais, tripé para os aspersores e etc. (Figura 08).

Manômetro após acessório de derivação: ¯
 

Controle preciso da

Pressão de Serviço ®

  
Figura 08: Acessório para derivação da água e controle de pressão (manômetro)

Ø Aspersores

Os aspersores são as peças principais do sistema de aspersão convencional, são eles os responsáveis pelo fracionamento do jato de água que simula uma precipitação. Eles apresentam diversas características e particularidades e são classificados segundo sua pressão de serviço, assim como segue:

ü 1, 2 ou 3 bocais,

ü Mecanismo de giro (impacto ou de contrapeso),

ü Ângulo de inclinação dos bocais (6, 20 30o),

ü Giro completo ou setorial,

ü Diversos tamanhos (pequeno, médio ou grande),

ü Diversas pressões de serviço

                   - muito baixa PS = 4 a 10 mca,

                   - baixa PS = 10 a 20 mca,

                   - média PS = 20 a 40 mca,

                   - alta PS > (40 mca).

üEspaçamento:

- depende do aspersor e do vento,

- 6x6m até 100x100 m.

- Aspersão convencional (média PS): 12x12, 12x18, 18x18, 18x24 e 24x24m.

- Espaçamento retangular:

                    - maior valor: entre linhas laterais;

                    - menor valor: entre aspersores;

Um maior espaçamento implica em menores uniformidades de aplicação de água, e um menor custo, devendo-se buscar um equilíbrio através de simulações e testes de uniformidade.

A escolha do aspersor depende do projetista, que deve sempre levar em consideração a intensidade de aplicação do aspersor (Ia) e o potencial de escoamento (VIB, declividade e tipo de cobertura do solo).

Os fabricantes colocam em seus catálogos as informações técnicas sobre os modelos de aspersores. As principais características contidas num catalogo são: Diâmetro do bocal, Pressão de serviço, vazão, raio. Estas informações podem ser encontradas em catálogos impressos ou nas páginas da Internet. A seguir informações de um aspersor de tamanho médio.

Tabela 01: Catalogo de um modelo de aspersor.

Diâmetro bocais (mm)

P. S.

(atm)

Raio

(m)

Q

(m3/h)

Espaçamento

m x m

Área irrigada

(m2)

Ia

(mm/h)

...

 

 

 

 

 

 

5 X 5,5

2,5

3,0

3,5

4,0

16,0

16,3

16,6

17,0

3,05

3,35

3,62

3,87

18 x 18

18 x 24

18 x 24

18 x 24

324

432

432

432

9,41

7,75

8,38

8,96

5 x 6,5

2,5

3,0

3,5

4,0

17,3

17,6

18,5

19,2

3,84

4,21

4,55

4,86

18 x 24

18 x 24

24 x 24

24 x 24

432

432

576

576

8,89

9,74

7,90

8,44

...

 

 

 

 

 

 

Uma das principais características a serem observadas na escolha de um aspersor é a intensidade de aplicação do mesmo. É ela quem vai nos dizer se o aspersor tem ou potencial de ocasionar escoamento superficial ou não. A escolha certa da Ia implicará em tempos de irrigação adequados para as necessidades da fazenda.