Cases de Sucesso
GPRH
IRRIGA
SEBRAE-MG
INMET
ONS
Klabin S/A.
LabGene
Irriga - Informações Técnicas voltar

Pinta Bacteriana ou Mancha Bacteriana Pequena ou Pústula Bacteriana

Agente causal: Pseudomonas syringae pv. tomato

EPIDEMIOLOGIA:

Temperatura favorável (ótima): Temperaturas entre 18 a 28º C favorecem o desenvolvimento da doença.

Umidade relativa do ar (solo): Favorável:Umidade relativa alta (maior que 85 %) favorece o desenvolvimento da doença.

Chuva, orvalho, neblina, nevoeiro, molhamento foliar: A presença de água é responsável para o desenvolvimento da doença. Normalmente, somente um dia de molhamento foliar é bastante para o desenvolvimento. Chuvas associadas a ventos fortes provocam a disseminação da bactéria.

Vento: Ventos fortes com chuvas favorecem a disseminação da bactéria.

Região geográfica onde doença ocorre: Essa doença pode ocorre em qualquer lugar do mundo, mas é mais problemática nas regiões onde as temperaturas amenas são combinadas com alta umidade relativa. A doença também pode ocorrer nas regiões áridas onde irrigação por aspersão é utilizada.

Estação do ano favorável à doença: A doença é mais severa nas épocas chuvosas e de temperaturas amenas.

SINTOMAS:

Folha: Manchas arredondadas de coloração marrom-escuro a preta com halos amarelados no limbo foliar. Manchas pretas com bordas amareladas, também ocorrem nas bordas das folhas.

Caule: No caule, pecíolo e pedúnculo as lesões são de formato alongadas e de coloração escura.

Fruto: Lesões pretas, pequenas (mais ou menos 1 mm de diâmetro), ligeiramente elevadas e superficiais, que se destacam facilmente e são delimitadas por halos verde-escuro nos frutos verdes.

CONTROLE:

Químico (fungicidas, bactericidas, nematicidas, inseticidas, para controle de insetos vetores):

  1. Pulverização alternada dos antibióticos;
  2. Pulverização das plantas com fungicidas cúpricos e mancozeb.

Controle Cultural (Rotação, nutrientes, compostagem, espaçamento, aração e gradagem, pH, roguing etc.):

  1. Plantar sementes de boa qualidade;
  2. Fazer rotação de cultura de preferência com gramíneas por 2 a 3 anos;
  3. Lavar e desinfestar implementos que tiveram contato com plantas doentes;
  4. Evitar plantios próximos a lavouras velhas de tomate e pimentão;
  5. Incorporar restos de cultura logo após a colheita;
  6. Controle de plantas daninhas que podem servir como hospedeiro alternativa para o patógeno.

Irrigação:

  1. Evitar irrigação por aspersão.

Físico:

  1. Tratar as sementes com água quente (50 a 52ºC / 25 minutos).